TRANSLATE THIS HOMEPAGE TO YOUR LANGUAGE

LUCAS (O EVANGELHO SEGUNDO), CAPÍTULO 4 : VERSÍCULO 14 - (Programa de 28 e 31 Agosto/2011)

LUCAS (O EVANGELHO SEGUNDO), CAPÍTULO 4 : VERSÍCULO 14
(Programa de 28 e 31 Agosto/2011)
MINISTÉRIO DE JESUS NA GALILÉIA
Jesus Inaugura sua pregação
14 Jesus voltou então [para a Galiléia], com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a região circunvizinha.
OUÇA NOVAMENTE O ÁUDIO DO PROGRAMA, CLIQUE NO PLAY ("setinha") DA FIGURA ABAIXO:
 


OU PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO, CLIQUE A Q U I
Galileia - Cafarnaum




Notável a inteligência de Jesus, ao escolher a Galileia como sede de Seu ministério. Ela era perfeita para divulgar Seu Evangelho, lançando as sementes do amor e da caridade a multidões oriundas dos mais variados rincões do da Europa, e da Ásia.

Ademais, possuía um ambiente de grande beleza natural, com paisagens paradisíacas de natureza exuberante.

Era uma região sem valor para a História política, militar e econômica – ao tempo de Jesus – por isso, as lentes da historiografia estavam voltadas para Roma e para Grécia. Terra de gente humilde, sem bibliotecas, sem cultura, sem tradição, considerada inferior pelos habitantes de Judá. Realmente, tratava-se de um lugarejo, sem nenhuma visibilidade. Assim, Jesus demonstra ser possível mudar a história, independente da pequenez do lugar, ainda que sob condições desfavoráveis, em um cenário modesto, inculto, sem riquezas, e até inóspito. Em tudo na vida, Jesus não tivera facilidades, aliás, somente dificuldades, sendo as maiores que um homem poderia se defrontar. Sem isso, não seria possível apresentar um tipo de perfeição a que humanidade pudesse pretender reproduzir.Jesus é um professor extremamente visual. Dentre os recursos pedagógicos que Jesus - com genial atilamento - aplicava, um se nos afigura de ímpar importância: a criação de imagens mentais.

Através de histórias belas e singelas, o Mestre Incomparável cunhava imagens visuais com riqueza de nuances, vivas e emocionantes, sempre bem situadas no contexto sociocultural dos ouvintes, para que fossem integralmente apreendidas. Desse modo, Jesus conduzia as mentes e os corações - de forma apaixonante - nas artes de pensar e de viver, enquanto, ao mesmo tempo, desvelava as Leis Naturais para todas as gerações de aprendizes, ao longo dos séculos.

O impacto dessas figuras visuais na alma dos ouvintes foi tão significativo que, mesmo mais de seis décadas depois, no período em que os Evangelhos teriam sido escritos, foram recordadas com sutilezas e precisão de informações.

Poderemos extrair dos relatos de Lucas, entre os capítulos 5 a 15, inúmeras imagens visuais que Jesus tomou do dia-a-dia da vida dos Galileus, coisas comuns que Jesus transformou em vínculos de analogia com o Reino dos Céus, para a compreensão da Vida Espiritual:

- Tradição e roupas de casamento;

- Os odres de vinho limpos e os sujos;

- O rombo nas roupas e as costura de remendos;

- O cisco nos olhos;

- As árvores e seus frutos bons e ruins;

- Os alicerces das casas;

- Crianças reclamando no mercado;

- Os diferentes tipos de solo para o plantio de sementes;

- As lamparinas e candeias nas casas;

- O arado da terra;

- Cuidados com funerais e com hortos;

- Ovos e escorpiões;

- Roubo combinado;

- A louça suja;

- Jardim de ervas;

- Túmulos não identificados;

- Pardais baratos;

- Tamanho dos celeiros;

- Bons e maus administradores;

- Corvos e lírios;

- Previsão do tempo;

- Semente de mostarda e fermento;

- Uma galinha e seus pintinhos;

- Campos e vacas;

- Utilidade do sal;

- Carneiros perdidos;

- Donas de casa e suas moedas perdidas

- E outros.

Definição de educação.

EDUCARv.t. Despertar as aptidões naturais do indivíduo e orientá-las segundo os padrões e ideais de determinada sociedade, aprimorando lhe as faculdades intelectuais, físicas e morais. In: 2002 Enciclopédia Koogan-Houaiss Digital.

Problemas que influenciam na aprendizagem:

-Mente agitada, fuga dos pensamentos;

-Falta de concentração;

-Memória pouco treinada e esquecimento;

-Sofrimento antecipatório, tensão emocional e ansiedade;

-Irritabilidade;

-Dificuldade de abstrair, extrapolar e raciocinar;

-Pensamentos algemados aos preconceitos e ideia pré-concebidas.

Jesus utilizara, como genial maestria, o bucólico ambiente físico da Galileia para equacionar os obstáculos ao aprendizado. Senão, vejamos.

Em Mateus cap. 13: No mesmo dia, tendo Jesus saído de casa, sentou-se à beira do mar; e reuniram-se a ele grandes multidões, de modo que entrou num barco, e se sentou; e todo o povo estava em pé na praia. E falou-lhes muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear.

LUCAS (O EVANGELHO SEGUNDO), CAPÍTULO 4 : VERSÍCULO 14 - (Programa de 21 e 24 Agosto/2011)

LUCAS (O EVANGELHO SEGUNDO), CAPÍTULO 4 : VERSÍCULO 14

(Programa de 14 e 17 Agosto/2011)

MINISTÉRIO DE JESUS NA GALILÉIA

Jesus Inaugura sua pregação

14 Jesus voltou então [para a Galiléia], com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a região circunvizinha.

OUÇA NOVAMENTE O ÁUDIO DO PROGRAMA, CLIQUE NO PLAY ("setinha") DA FIGURA ABAIXO:


OU PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO DESSE PROGRAMA, CLIQUE   AQUI


Jesus é um professor extremamente visual. Dentre os recursos pedagógicos que Jesus - com genial atilamento - aplicava, um se nos afigura de ímpar importância: a criação de imagens mentais.

Através de histórias belas e singelas, o Mestre Incomparável cunhava imagens visuais com riqueza de nuances, vivas e emocionantes, sempre bem situadas no contexto sociocultural dos ouvintes, para que fossem integralmente apreendidas. Desse modo, Jesus conduzia as mentes e os corações - de forma apaixonante - nas artes de pensar e de viver, enquanto, ao mesmo tempo, desvelava as Leis Naturais para todas as gerações de aprendizes, ao longo dos séculos.

O impacto dessas figuras visuais na alma dos ouvintes foi tão significativo que, mesmo mais de seis décadas depois, no período em que os Evangelhos teriam sido escritos, foram recordadas com sutilezas e precisão de informações.

Poderemos extrair dos relatos de Lucas, entre os capítulos 5 a 15, inúmeras imagens visuais que Jesus tomou do dia-a-dia da vida dos Galileus, coisas comuns que Jesus transformou em vínculos de analogia com o Reino dos Céus, para a compreensão da Vida Espiritual:

- Tradição e roupas de casamento;

- Os odres de vinho limpos e os sujos;

- O rombo nas roupas e as costura de remendos;

- O cisco nos olhos;

- As árvores e seus frutos bons e ruins;

- Os alicerces das casas;

- Crianças reclamando no mercado;

- Os diferentes tipos de solo para o plantio de sementes;

-As lamparinas e candeias nas casas;

- O arado da terra;

- Cuidados com funerais e com ortos;

- Ovos e escorpiões;

- Roubo combinado;

- A louça suja;

- Jardim de ervas;

- Túmulos não identificados;

- Pardais baratos;

- Tamanho dos celeiros;

- Bons e maus administradores;

- Corvos e lírios;

- Previsão do tempo;

- Semente de mostarda e fermento;

- Uma galinha e seus pintinhos;

- Campos e vacas;

- Utilidade do sal;

- Carneiros perdidos;

- Donas de casa e suas moedas perdidas.

ü Notável a inteligência de Jesus, ao escolher a Galiléia como sede de Seu ministério. Ela era perfeita para divulgar Seu Evangelho, lançando as sementes do amor e da caridade a multidões oriundas dos mais variados rincões do da Europa, e da Ásia.

ü Ademais, possuía um ambiente de grande beleza natural, com paisagens paradisíacas de natureza exuberante.

ü Era uma região sem valor para a História política, militar e econômica – ao tempo de Jesus – por isso, as lentes da historiografia estavam voltadas para Roma e para Grécia. Terra de gente humilde, sem bibliotecas, sem cultura, sem tradição, considerada inferior pelos habitantes de Judá. Realmente, tratava-se de um lugarejo, sem nenhuma visibilidade. Assim, Jesus demonstra ser possível mudar a história, independente da pequenez do lugar, ainda que sob condições desfavoráveis, em um cenário modesto, inculto, sem riquezas, e até inóspito. Em tudo na vida, Jesus não tivera facilidades, aliás, somente dificuldades, sendo as maiores que um homem poderia se defrontar. Sem isso, não seria possível apresentar um tipo de perfeição a que humanidade pudesse pretender reproduzir.

LUCAS (O EVANGELHO SEGUNDO), CAPÍTULO 4 : VERSÍCULO 14

  LUCAS (O EVANGELHO SEGUNDO), CAPÍTULO 4 : VERSÍCULO 14
(Programa de 14 e 17 Agosto/2011)

MINISTÉRIO DE JESUS NA GALILÉIA
Jesus Inaugura sua pregação

14  Jesus voltou então [para a Galiléia], com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a região circunvizinha.


OUÇA NOVAMENTE O ÁUDIO DO PROGRAMA, CLIQUE NO PLAY ("setinha") DA FIGURA ABAIXO:

OU PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO DESSE PROGRAMA, CLIQUE    A Q U I

GALILEIA NA ROTA COMERCIAL: "GALILEIA DOS GENTIOS"

                             APONTAMENTOS - A GALILÉIA
Na ponta leste do Mar Mediterrâneo, situa-se a estreita faixa de terra, que em seu sentido longitudinal tem cerca 21.000 km de extensão territorial, compreendida entre o Mar e o deserto Árabe.

Por milhares de anos povos lutaram sobre essa terra. Essa terra é Israel, também denominada A Terra Santa.

A Palestina poderia ser dividida, geograficamente, em quatro faixas paralelas, que vão de norte a sul do país.

Região marítima: Da esquerda para direita no mapa, encontraremos uma estreita faixa plana muitíssimo fértil, banhada pelo Mar Mediterrâneo, e por tal razão, de clima ameno e vegetação riquíssima.

Cordilheira Central: Em direção no sentido do interior, encontraremos uma área central montanhosa que é continuidade das montanhas do Líbano, propícia à criação de animais e ao plantio, por ser uma região abençoada por chuvas regulares. Seguindo no sentido do Rio Jordão, ocorre uma queda na altitude, até a região de vale.

Vale do Jordão: A terceira faixa é o Vale do Rio Jordão, que corre numa falha geológica, que é a maior do mundo, rica em vegetação tropical, e dividi Israel de norte a sul.

Mais à direita do mapa de Israel, a quarta área fica entre o Rio Jordão e as Colinas de Moab, sendo uma vasta faixa de planalto oriental, também muito fértil pela precipitação dos ventos úmidos do mediterrâneo que encontram e colidem com as montanhas, condensando as nuvens em chuvas, no entanto, à medida que nos afastamos desse planalto, a região torna-se desértica, com montanhas arredondadas que formam o Deserto da Judéia.

Ao tempo de Jesus, a Terra Santa de Israel estava sob a dominação militar do Império Romano, que – após a morte do Rei Herodes Magno no ano 4ac – dividiu a Província da Judéia em tetrarquias, ou quartas parte do território dominado, entregando essas tetrarquias aos filhos de Herodes, ficando - após a deposição de Arquelau - a Judéia, a Samaria e a Iduméia sob a governança de um praefectus romano. A capital da Província da Judéia era a magnífica cidade de Cesaréia Marítima.

Arquelau foi deposto por Augusto e enviado para as Gálias. No seu lugar, César nomeia governadores para a Judéia, onde ficava Jerusalém e Cesaréia (porto). Pôncio Pilatos, também conhecido simplesmente como Pilatos (em latim, Pontius Pilatus), foi o quinto Prefeito (praefectus) da província da Judéia, da iduméia e da samaria entre os anos 26 e 36.

Herodes Ântipas foi nomeado tetrarca da Galiléia e da Peréia de 4ac até 39dc. Isso foi confirmado por Augusto. Casou-se com a própria sobrinha, sendo seu comportamento condenado pelos judeus e por João Batista. Tinha uma vida moralmente condenável, e que influenciava os costumes dos súditos, por isso Jesus fala do “fermento de Herodes”.

Filipe também era filho de Herodes O Grande com Cleopatra. Tertraca de 4ac a 34dc. Segundo o historiador Flávio Josefo, era o mais justo e sensato. Era pagão, reconstrói a cidade Cesaréia de Filipe (homenagem a César e a si mesmo) e de Betsaida Júlia, homenageando a filha de Augusto (Pedro, André e Felipe eram de Bestsaida).

Lisânia, tetrarca de Abilene. Na Antiguidade, Abilene ou simplesmente Abila, era um distrito da Síria, cujos limites são ainda imprecisos, mas que parece ter incluído as encostas orientais do Anti-Líbano, e ter o sul e o sudeste estendidos de Damasco até as fronteiras da Galiléia, de Batanea, e de Traconítides.

Conforme já o dissemos, a Galiléia era a tetraquia governada, ao tempo do ministério de Jesus, por Herodes Antipas, filho de Herodes O Grande. Galiléia deriva da palavra hebraica galil, que significa círculo, realmente, era uma tetrarquia com forma circular no mapa. Foi dividida pelo historiador Flávio Josefo em duas regiões geográficas: alta Galiléia e baixa Galiléia.

No centro dessa região está o Mar da Galiléia, também chamado Lago de Tiberíades, ou também Lago de Genesaré, que tem a forma de pêra ou, de corpo do violão, medindo 23.613 m de comprimento. De largura, tem em média 9km na curvatura menor e 11 km na curvatura maior da forma geométrica usada como analogia.

É um lago de águas frias, oriundas da neve derretida do Monte Hermom, trazidas pelo Rio Jordão. A atividade pesqueira era a principal fonte de subsistência das cidades banhadas pelo Tiberíades, e o comércio do peixe trazia inúmeros negociantes à região.

Cerca de três km ao sul, as águas deixam o lago, e se juntam ao Rio Jordão seguindo em direção ao Mar Morto.

Muitas praias do Lago são cercadas por declives bastante íngremes, o que protege o Lago de borrascas. No entanto, quando os ventos mudam de sentido, correndo sobre o Tiberíades ao longo de um de seus vales/declives, ele torna-se subitamente perigoso devido às ventanias e tempestades. Encontraremos no NT várias passagens onde ocorreram fortes chuvas de inicio súbito.

Como está a 210 metros abaixo do nível do Mar Mediterrâneo, no verão a região pode ficar insuportavelmente quente e abafada. Nada obstante, nas regiões de montanhas o clima é bastante ameno na maioria do ano.

Ao redor do Lago existe grande variedade na paisagem: ao leste, encontraremos uma faixa árida das Montanhas da Galiléia; a norte, temos as águas do Rio Jordão que passam por um pequeníssimo lago, o Lago Hula Basin; além de Cafarnaum, a nordeste, temos a fértil planície do Genesaré; existem os grandes precipícios do Penhasco de Arbel. Percebe-se, portanto, que trata-se de uma região pequena, mas de grande diversidade geográfica.

A Cidade de Carfarnaum era uma das mais famosas da Judéia, em função de ser a principal rota de comércio, ligando os mercados das regiões da Mesopotâmia, Damasco, Egito com as cidades da Grécia e os territórios Romanos, sobretudo através do Mar Mediterrâneo. Isaías (9:12) se refere a Galiléa como “Galiléia dos Gentios”, profetizando que ela seria honrada com uma grande luz. Por conseguinte, teria sido uma região de grande afluência de estrangeiros, razão pela qual os pesquisadores acreditam que Jesus teria escolhido Cafarnaum como sede de Seu ministério por razões estratégicas, bem possivelmente para o objetivo de pregar Sua mensagem ao maior número possível de pessoas, de povos diversos. Como o grego era língua universal para as atividades comerciais, acreditam os investigadores, que Jesus deveria dominar a língua grega, razão que explicaria as seguintes passagens:

João,7:35
"Disseram, pois, os judeus uns aos outros: Para onde irá ele, que não o acharemos? Irá, porventura, à Dispersão entre os gregos, e ensinará os gregos?"

João, 12: 20-23
"Ora, entre os que tinham subido a adorar na festa havia alguns gregos. "Estes, pois, dirigiram-se a Felipe, que era de Betsaida da Galiléia, e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus. Felipe foi dizê-lo a André, e então André e Felipe foram dizê-lo a Jesus. Respondeu-lhes Jesus: É chegada a hora de ser glorificado o Filho do homem.

Mas o ministério de Jesus na Galiléia não ficou limitado a Cafarnaum. Em incrível demonstração de visão e inteligência, Jesus desenvolvera um ministério itinerante, realizando inúmeras viagens missionárias na própria Galiléia, nas regiões circunvizinhas, em regiões estrangeiras como a sírio-fenícia e outras tetrarquias, como a Judéia. Além disso, em genial demonstração de liderança superior, criou e desenvolveu inúmeras equipes, como os doze apóstolos, os setenta de Galiléia, as mulheres piedosas, culminado com os quinhentos da Galiléia.

ENCICLOPÉDIA DA BÍBLIA, organizada por John Drane


Caros amigos.

Gostaria de recomendar a excelente Enciclopédia da Bíblia, organizada por John Drane, que poderá ser encontrada nas grandes livrarias, como as Livraria Saraiva e da Travessa, por exemplo.

No entanto, vocês poderão Consultar e ler a Enciclopédia da Bíblia aqui mesmo no blog!

A imagem abaixo não é apenas uma figura, mas sim uma janela para acessar essaa Enciclopédia, que está hospedada no "Google Livros".

Bastar clicar na barra de rolagem ("setinhas") da figura abaixo, e as páginas do livro se abrirão para leitura.

Caso a janela apareça "em branco", clique em "conteúdo", no topo dessa figura, e a enciclopédia será carregada no blog novamente.





Bons estudos, fraternal abraço, Fabiano


***

Dúvidas, críticas e sugestões?

Dúvidas, críticas e sugestões?
Mande um e-mail para mim, clicando no link abaixo

Seguidores do Site (clique em "seguir" para ser informado sobre novas postagens no blog)

Visualizações do blog desde julho/2010