TRANSLATE THIS HOMEPAGE TO YOUR LANGUAGE

Artigo

HUMANIDADE

ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CULTURA ESPÍRITA - ICEB, ANO II, N. 24, MARÇO DE 2011

Autor: Fabiano Pereira Nunes

A interpretação para a expressão Filho do Homem sempre acarretou muitas controvérsias, e ainda hoje tem sido um dos grandes objetos de discussões nos estudos do Novo Testamento(1). Esse termo aparece 82 vezes no Novo Testamento(2), sendo empregada somente por Jesus nos evangelhos.
Naquele tempo, Filho do Homem não era reconhecido como uma titulação, nem na língua hebraica e nem na aramaica3. Tradutores do grego conjecturaram se não seria ela uma figura de linguagem cotidiana da época, derivada da própria palavra “homem”. John Dominic Crossan3, professor de estudos bíblicos na DePaul University de Chicago, EUA , assevera que tal expressão foi a única alcunha que Jesus relacionou explicitamente a si mesmo, conquanto, para esse eminente pesquisador, usando uma analogia poética, da mesma forma que o inglês emprega as palavras “man” para “homem” e “mankind” para descrever a “humanidade”, o aramaico talvez utilizasse Filho do Homem para assinalar a raça humana. Malgrado, essa tese ainda não encontrou consenso, prosseguindo à mesa de debates.
Allan Kardec - epíteto do cientista e pedagogo francês H.L.D. Rivail – cerca de um século e meio antes dos grandes autores contemporâneos, apresentou o fanal da exegese perfeita para as mais difíceis questões interpretativas do Novo Testamento. Também nesta temática, hermenêutica Kardeciana é ímpar, posto que dimana do próprio Pensamento do Cristo(4).
Em Obras Póstumas(5), o Apóstolo da Terceira Revelação oferece-nos definitivas elucidações sobre as diferenças entre as expressões “O Filho de Deus” e “O Filho do Homem”, assim como sobre a questão das naturezas divina e humana de Jesus. Para clarificar o contexto do termo “O Filho do Homem”, o fundador do espiritismo remete-nos ao livro do profeta Ezequiel. Nele, Deus referir-se-ia a Ezequiel usando tal denominação, com o fito de lhe lembrar que, não obstante o seu excepcional dom de profecia, ele não deixaria de pertencer ao restante da humanidade. Prosseguindo em suas aclarações insofismáveis, ainda no que diz respeito à figura de linguagem “Filho do Homem”, o insigne educador Lionês definiu a mais segura exegese para o termo:

[...] “Jesus dá a si mesmo essa qualificação com persistência notável, pois só em circunstâncias muito raras ele se diz Filho de Deus. Em sua boca, não pode ter ela outra significação, que não lembrar que também Ele pertence à Humanidade” [...]

Igualmente inolvidável é a elucidação de Allan Kardec acerca da resposta6 dos Bons Espíritos sobre “qual é o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e de modelo”, no caso, “Vede Jesus.” O incansável servo de O Espírito de Verdade assevera que “Jesus é para o homem o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode pretender(7) na Terra.” [...]
O Ser Humano Jesus de Nazaré é altamente cativante e inspirador. Deus no-lo ofereceu como um padrão de “humanidade” que podemos vivenciar, sem pretensões. De igual modo, ninguém foi tão humanista e humanitário quanto o dileto filho de Maria e José de Nazaré. Por ora, a "Divindade" de Jesus é ainda para nós inatingível, em face da distância que nos separa da condição de Espírito Puro, nada obstante, Sua "humanidade" é perfeitamente reproduzível, totalmente passível de repetição. Foi para fazer-nos compreender esse ponto de vista que Jesus – modestamente - alcunhou a si mesmo pela nomenclatura O Filho do Homem, em substituição do título do Messias - "O Filho do Deus Altíssimo".
Porquanto, em sublime Projeto Divino, o Filho do Deus Altíssimo converteu-se em Filho do Homem, e, ensinando-nos a viver numa condição humana de plenitude, levar-nos-á a todos – que efetivamente somos filhos dos homens - a alçarmos a condição de “Filhos do Deus Altíssimo”.
Refletindo sobre a extraordinária demonstração de compaixão, humildade e empatia do Nazareno, ressoemos a vida humana de Jesus, jamais olvidando que somente nas linhas morais do Cristo é que atingiremos a Humanidade Real(8).

1. Drane, John. Jesus, sua vida, seu evangelho para o homem de hoje. Tradução de Macintyre.São Paulo: Edições Paulinas, 1982. p. 49
2. Bíblia. Português. Bíblia de Jerusalém. Nova edição rev. e ampl. São Paulo: Paulus, 2002, 2206 p.
3. CROSSAN, John Dominic. O Jesus histórico: a vida de um camponês judeu mediterrâneo. Trad. André Cardoso. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago, 1994, 543 p.
4. KARDEC, Allan. Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 33. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Segunda parte, p. 307-308.
5. KARDEC, Allan. Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 33. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte, Item IX, p. 149-153.
6. KARDEC, Allan. Le Livre Des Esprits. Quatorzième Édition. Paris: Didier Et Cie Libraires-Éditeurs, 1866. Q.625. p. 268.
7. O grifo e a tradução são nossos.
8. Xavier, Francisco C. Fonte Viva. Pelo espírito Emmanuel. 23. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 1999. Cap. 127, p. 287.

***

FIEL OBEDIÊNCIA ÀS LEIS
Autor Fabiano P Nunes

Artigo publicado na REVISTA CULTURA ESPÍRITA, do Instituto de Cultura Espírita do Brasil, ano III, n. 26, Maio de 2011. p.15.

Na atualidade, observam-se lamentáveis desrespeitos às leis, nas mais variadas esferas da sociedade. Referimo-nos não somente às ações claramente marginais aos códigos legais, mas também aos atos de menor expressão, muitas vezes sutilmente justificado por uma, suposta, nobreza quanto aos seus fins. Sonegação de impostos, desrespeito aos estatutos sociais, trabalho informal, cópias ilegais, desprezo às normas éticas, ofensas à moral e danos ao patrimônio, estão entre os atos censuráveis comuns.
O cristão, mormente os espíritas, jamais deverá se postar à margem da lei, sob qualquer pretexto, ainda que esteja ao açodar das injustiças e penúrias. Urge nunca assentar o espiritismo-cristão na marginalidade legal, em tempo algum.
Como usual, Jesus apresenta-se como probo exemplo de obediência aos códigos legalísticos.
Conquanto importantes pesquisadores tenham defendido a tese de que o Jesus da História teria assumido uma postura revolucionária1, sabe-se que – ao contrário – Ele fora o modelo e guia da integral observância das leis sociais.
Paulo de Tarso, considerado como um dos maiores intérpretes do Evangelho em toda a história cristã, em sua carta aos Filipenses2 assevera que Ele, “tornando-se semelhante aos homens e reconhecido em seu aspecto como um homem, abaixou-se, tornando-se obediente até a morte, à morte sobre uma cruz.”
Nessa ímpar exegese, o apóstolo dos gentios estabelece três conceitos essências para o entendimento da missão do Cristo na Terra: a humanidade de Jesus, Sua humildade e Sua obediência às leis vigentes. Esta ideia reveste-se de sublime comprobação ao observarmos a integral obediência, e a absoluta resignação, com que Jesus vivenciara as arbitrariedades de Seu processo de prisão, julgamento e execução.
Notáveis pesquisadores têm demonstrado as inúmeras ilegalidades dos julgamentos sofridos por Jesus, não apenas na Corte Suprema Judaica daquele tempo, o Sinédrio, como também na aplicação do Direito Romano exercida por Pôncio Pilatos.
Dentre as ilicitudes cometidas pelo Tribunal Judaico no Seu processo de prisão e julgamento, uma se nos apresenta com especial gravidade: a inexistência de – no mínimo – duas testemunhas de acusação, verazes. Em verdade, essa violação fora extremamente elementar, posto que o livro de Moisés - o Deuteronômio – assim determinava:
“Somente pela deposição de duas ou três testemunhas poder-se-á condenar alguém à morte; ninguém será morto pela deposição de uma só testemunha”3 .
“Uma única testemunha não é suficiente contra alguém, em qualquer caso de iniqüidade ou de pecado que haja cometido” 4.
“Se a testemunha for uma testemunha falsa, e tiver caluniado seu irmão, então vós a tratareis conforme ela própria maquinava tratar o seu próximo”5.
À luz dessas chaves ao entendimento contidas no Antigo Testamento, poder-se-á apreender - em Marcos6 - a seriedade das ilicitudes cometidas pelo referido tribunal hebreu:
Ora, os chefes dos sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam um testemunho contra Jesus para matá-lo, mas nada encontravam. Pois muitos davam falso testemunho contra Ele, mas os testemunhos não eram congruentes. Alguns, levantando-se, davam falso testemunho contra Ele”.[...]
[...] O Sumo Sacerdote, então, rasgando as suas túnicas disse: Que necessidade temos ainda de testemunhas? Ouvistes a blasfêmia. Que vos parece? E todos julgaram-no réu de morte”.
Dessa forma, houvera uma inequívoca, e voluntária, transgressão da Lei Mosaica por parte do próprio Sinédrio, a qual seria passível da mesma punição imputada ao Humilde Réu.
Para agravar a injustiça da condenação do Carpinteiro de Nazaré, Ele ainda estivera sob o julgamento de outras duas instâncias, a de Herodes Antipas e a de Pôncio Pilatos, que também não encontraram peças judiciais condenatórias robustas, e, por conseguinte, exoraram Sua inocência. Mesmo assim, Jesus fora conduzido à pena capital.
Não obstante Jesus fosse o único Espírito Puro que já pisara a Terra, e porquanto, o mais inocente homem da história, Ele aceitara todos os ajuizamentos - arbitrários, incoerentes e ilegais – sem indignar-se e nem ao menos protestar, mas ao contrário, sendo obediente até o limite de Suas forças, tendo como conseqüência a própria morte por crucificação, vergonhosa e com dores excruciantes, a fim de exemplificar a mais excelente manifestação de fidelidade à Deus, aos amigos, à Causa, assim como às leis da sociedade.
Nunca esqueçamos, pois, que o espírita-cristão deverá ser, sobretudo, um exemplar partidário da boa cidadania, observando fielmente as legislações e as disposições judiciais.

 
  1. CROSSAN, John D. Jesus, Uma Biografia Revolucionária. Rio de Janeiro, Imago Ed: 1995. 216 p.
  2. BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. Nova edição rev. e ampl. São Paulo: Paulus, 2002. Epístola aos Filipenses, cap. 2, vers. 8, p. 2049.
  3. Ibidem. Deuteronômio, cap. 17, vers. 6, p. 279.
  4. Ibidem. Deuteronômio, cap.19, vers. 15, p. 282.
  5. Ibidem. Deuteronômio, cap.19, vers. 18-19, p. 282.
  6. Ibidem. Evangelho Segundo Marcos, cap. 14, vers. 55-64, p.1782.


***

ENCICLOPÉDIA DA BÍBLIA, organizada por John Drane


Caros amigos.

Gostaria de recomendar a excelente Enciclopédia da Bíblia, organizada por John Drane, que poderá ser encontrada nas grandes livrarias, como as Livraria Saraiva e da Travessa, por exemplo.

No entanto, vocês poderão Consultar e ler a Enciclopédia da Bíblia aqui mesmo no blog!

A imagem abaixo não é apenas uma figura, mas sim uma janela para acessar essaa Enciclopédia, que está hospedada no "Google Livros".

Bastar clicar na barra de rolagem ("setinhas") da figura abaixo, e as páginas do livro se abrirão para leitura.

Caso a janela apareça "em branco", clique em "conteúdo", no topo dessa figura, e a enciclopédia será carregada no blog novamente.





Bons estudos, fraternal abraço, Fabiano


***

Dúvidas, críticas e sugestões?

Dúvidas, críticas e sugestões?
Mande um e-mail para mim, clicando no link abaixo

Seguidores do Site (clique em "seguir" para ser informado sobre novas postagens no blog)

Visualizações do blog desde julho/2010