TRANSLATE THIS HOMEPAGE TO YOUR LANGUAGE

Interpretação para a expressão GLORIA DE DEUS: Lucas cap. 4 vers. 15 - Exibido em 18 de julho de 2012



BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. Nova edição rev. e ampl. São Paulo: Paulus, 2002. 3 a. Impressão: 2004.

# O Evangelho Segundo Lucas 4:14-30 p. 1794-5

Jesus inaugura sua pregação

14 Jesus voltou então para a Galileia, com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a região circunvizinha.

15 Ensinava em suas sinagogas e era glorificado por todos.

15 - e era glorificado por todos

Glorificado por todos

Glória

I)                  Contexto do Antigo Testamento

I. 1) Termo hebraico Kavod tem por raiz a ideia de peso, honra ou dignidade

. 2) No Pentateuco de Moisés, a Glória de Javé designa a Presença de Deus na humanidade, acompanhada de fenômenos físicos como voz direta, escrita direta e materializações luminosas. A Glória de Javé saiu com o Seu povo do cativeiro do egito, e era exibida na nuvem que os guiava no deserto.  (ex 16:7-10). A nuvem pousou sobre o Monte Sinai, onde Moisés viu a Glória do Senhor, recebendo as tábuas da Lei (Ex. 24:15-18). A Glória de Javé tomou conta do tabernáculo, templo móvel elaborada por Moisés (Ex 40: 35-5), especialmente quando ele realizava o sacrifício dos animais (Lv 9, 6 e 23)

I.3) “E ele (O Messias) se manterá, e governará pela força do seu Deus Eterno, e eles retornarão, e agora ele será glorificado até o extremo da Terra, e é ele que fará a paz.” (Miquéias, V: 3 e 4.)

II ) Contexto do Novo Testamento

II.1 ) Do hebraico Kavod foi transliterada para o grego “doxa”, que significa opinião, como em ortodoxo, ou também reputação.

II.2 ) Encontraremos  referências neotestamentárias da Glória de Deus na presença e na obra do Cristo, através de sinais e prodígios. Para entender sobre os sinais e prodígios leiamos “A Gênese, os milagres e as predições segundo o espiritismo”.

II. 3)  Glória sempre atribuída a Deus, no entanto, significa a Presença de Javé no novo Tabernáculo,  armado na carne humana de Jesus (Jo 1:14)

II. 4) Ligação com Hino cantado pelo anjos (mensageiros) que foram bucas os pastores em vigília, por ocasião do nascimento de Jesus: “A Deus nas Alturas, Glória. A Seu povo na Terra, Paz!”

III)              Reflexão

Desde o tempo de Jesus até os dias atuais, todos os cristãos O glorificaram. No entanto, isso o fazemos mais com os lábios do que com nossos atos.

É preciso refletir sobre o quanto já incorporamos a moral cristã em nossas vivências, sobretudo em nossa relação para com os familiares, a sociedade, e aqueles que estão sob risco social e carecem de nossa ajuda.

Sobre isso, O Codificador nos trouxe uma sublime interpretação, que está contida em O Evangelho Segundo O Espiritismo, a propósito da máxima do Cristo contida em Mateus, XXV: 31 a 46.

Vejamos:

1. Ora, quando o Filho do Homem vier em sua majestade, acompanhado de todos os anjos, sentar-se-á no trono da sua glória; e, estando todas as nações reunidas diante dele, separará umas das outras, como o pastor separa as ovelhas dos bodes; e ele colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. Então o rei dirá àqueles que estiverem à sua direita: “Vinde vós que fostes abençoados por meu Pai, tomai posse do reino que vos foi preparado desde o começo do mundo, porquanto eu tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber, tive necessidade de teto e me hospedastes, estive nu e me vestistes, estive doente e me haveis visitado, estive preso e me fostes ver.”

Então os justos lhe perguntarão: “Senhor, quando foi que nós te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos sem teto e te abrigamos, sem roupas e te vestimos, ou enfermo, ou no cárcere, e te fomos visitar?” E o rei lhes responderá: “Em verdade vos digo, todas as vezes que fizestes isso a um destes meus irmãos mais humildes, foi a mim que o fizestes.”

Em seguida, ele dirá àqueles que estão à sua esquerda: “Afastai-vos de mim, malditos; ide para o fogo eterno que foi preparado para o diabo e seus anjos; pois tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; tive necessidade de abrigo e não me agasalhastes; estive sem roupas e não me vestistes; estive doente e na prisão e não me fostes visitar.”

Então eles lhes responderão: “Senhor, quando foi que nós te vimos com fome ou com sede, sem abrigo ou sem roupas, doente ou na prisão e deixamos de te assistir?”

E ele lhes dirá: “Em verdade vos digo, todas as vezes que deixastes de dar assistência a um destes mais humildes, foi a mim que deixastes de ajudar.”

E estes últimos irão para o suplício eterno, e os justos para a vida eterna. (Mateus, XXV: 31 a 46.)

IV) A Interpretação de Allan Kardec para esses ensinos se encontram em O Evangelho Segundo O Espiritismo, CAPÍTULO XV - FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO – ITEM 3

No quadro que Jesus nos deu do juízo final, é preciso, como em muitos outros casos, separar o que pertence à linguagem figurada, à alegoria. Para falar a homens como aqueles a quem se dirigia, incapazes ainda de compreender as coisas puramente espirituais, Jesus devia apresentar imagens materiais, impressionantes e capazes de abalar. Para ser melhor compreendido, precisava não se afastar muito das idéias do seu tempo, quanto à forma, reservando sempre para o futuro a verdadeira interpretação das suas palavras e dos pontos sobre os quais Ele não podia explicar-se claramente. Mas, ao lado da parte acessória e fi gurada do quadro, há uma idéia dominante: a da felicidade que aguarda o justo e a da infelicidade que espera aquele que é mau.

Nesse julgamento supremo, quais são os considerandos da sentença? Em que se baseia a sindicância? O juiz pergunta se foi preenchida esta ou aquela formalidade, observa mais ou menos esta ou aquela prática exterior? Não, Ele só indaga por uma coisa: a prática da caridade, e se pronuncia dizendo: “Vós que socorrestes vossos irmãos, passai à direita; vós que fostes insensíveis com eles, passai à esquerda.” Pergunta pela ortodoxia da fé? Faz alguma distinção entre aquele que crê de um modo e o que crê de outro? Não, visto que Jesus coloca o samaritano, olhado como herético, isto é, contrário ao que foi definido pela Igreja em matéria de fé, mas que teve amor pelo próximo, acima do ortodoxo, que falta com a caridade. Jesus não considerou a caridade somente como uma das condições para a salvação, mas como a única condição para se alcançá-la; se houvesse outras a serem cumpridas, ele as teria citado. Se Jesus coloca a caridade em primeiro lugar entre as virtudes, é porque ela encerra implicitamente todas as outras: a humildade, a doçura, a benevolência, a indulgência, a justiça, etc., e porque ela é a negação absoluta do orgulho e do egoísmo.

V) Conclusão:

[...] A caridade é a alma do Espiritismo; ela resume todos os deveres do homem para consigo mesmo e para com os seus semelhantes, razão por que se pode dizer que não há verdadeiro espírita sem caridade.” [...]

Título: O Espiritismo é uma religião?

Revista Espírita: jornal de estudos psicológicos. Ano XI, dezembro de 1868. Tradução Evandro Noleto Bezerra: FEB, 2005; p. 491-5


ENCICLOPÉDIA DA BÍBLIA, organizada por John Drane


Caros amigos.

Gostaria de recomendar a excelente Enciclopédia da Bíblia, organizada por John Drane, que poderá ser encontrada nas grandes livrarias, como as Livraria Saraiva e da Travessa, por exemplo.

No entanto, vocês poderão Consultar e ler a Enciclopédia da Bíblia aqui mesmo no blog!

A imagem abaixo não é apenas uma figura, mas sim uma janela para acessar essaa Enciclopédia, que está hospedada no "Google Livros".

Bastar clicar na barra de rolagem ("setinhas") da figura abaixo, e as páginas do livro se abrirão para leitura.

Caso a janela apareça "em branco", clique em "conteúdo", no topo dessa figura, e a enciclopédia será carregada no blog novamente.





Bons estudos, fraternal abraço, Fabiano


***

Dúvidas, críticas e sugestões?

Dúvidas, críticas e sugestões?
Mande um e-mail para mim, clicando no link abaixo

Seguidores do Site (clique em "seguir" para ser informado sobre novas postagens no blog)

Visualizações do blog desde julho/2010